Uma abertura de série que é acompanhada pela voz rouca de Joe Cocker cantando With a Little Help From My Friends não pode ser ruim, essa é a série Anos Incríveis. Uma série que foi exibida no final dos anos 80 e inicio dos 90 (1988-1993) nos Estados Unidos e no Brasil, na nostálgica TV Cultura, repetidas vezes durante os anos 90 e início dos anos 2000.

A série é narrada por Kevin Arnold (Fred Savage), um garoto de 12 anos que vive no subúrbio de uma cidade norte americana, no final dos anos 60 e início dos 70. Abordando o fim da infância, problemas familiares, namoro, amizade, a série se desenrola durante 6 temporadas, não cansativas, ao contrário, uma melhor que a outra, embaladas por sucessos da época.

Aliás, a trilha sonora da série é a melhor trilha já usada em uma série (minha opinião). Embalada por Beatles, Chuck Berry, Joe Cockere vários outros clássicos da época, a série se inicia com o primeiro dia de aula de Kevin, seu amigo Paul Pfeiffer (Josh Saviano) e Winnie Cooper (Danica Mckellar), eterna amante de Kevin. A interação entre os 3 personagens principais é natural e se desenvolve de uma forma “linda” durante as 6 temporadas da série.

Melhor amigo de Kevin, Paul é o típico “nerd”, não esse conceito de hoje, uma cara que gosta de quadrinhos e games, mas um nerd “escolar”, na forma mais literal da expressão. Tem alergia a tudo e medo de tudo. Winnie era a vizinha, linda que cresceu ao lado de Kevin, sua primeira paixão. Inteligente, meiga e como todas as meninas, já era mais madura que Kevin e Paul.

Durante a série você se depara com vários fatos históricos, como a Guerra do Vietnã, o assassinato do Dr. King e a ida do homem a lua. É interessante como o desenvolvimento dos personagens é tão natural e tão perceptível, como Kevin tem atitudes tão parecidas com atitudes que tivemos quando na sua idade, como Paul representa um amigo, um conhecido nosso da escola, ou representa você mesmo.

A historia gira em torno de Kevin Arnold, mas ele não é o único protagonista. Seu pai, Jack Arnorld é uma caricatura do que era ser pai nos anos 60, sua mãe Marta é uma caricatura da dona de casa dos anos 60, aliás, o desenvolvimento e a libertação dela do papel de uma dona de casa, é uma das melhores coisas da série.

Você irá chorar, rir, se chatear, mas com certeza não irá esquecer de Anos Incríveis, pra mim, mais um dos presentes da TV Cultura.